Kamagra 100mg Teilen,Kamagra Apotheke kamagra apotheke Kamagra Shop,Kamagra Shop 24 kamagra shop Kamagra Bestellen Auf Rechnung,Kamagra Bestellen Deutschland kamagra kaufen deutschland Cialis bestellen: Wo geht das sicher und ohne Rezept cialis bestellen ? Cialis 20mg kaufen | Cialis kaufen direkt aus Deutschland | ohne Rezept cialis 20mg ? Cialis 20mg kaufen | Cialis kaufen direkt aus Deutschland | ohne Rezept cialis 20 mg kaufen Kamagra 100mg Preis,Kamagra 100mg Tabletten kamagra tabletten

Contato :   (92) 3302-5115      (92) 98137-9040

Kamagra Naisille,Kamagra Oral Jelly Naisille,Kamagra 100mg kamagra naisille Levitra Generico Precio levitra precio levitra belgie,levitra kopen,levitra generiek levitra generiek Levitra 10 Mg Kopen,levitra 10 Mg Ervaringen,levitra 10 Mg,levitra 10 Mg Bayer levitra 20 mg kopen Levitra Hinta Suomessa levitra hinta Cialis en ligne, achat Viagra sans ordonnance, acheter Cialis en ligne viagra sans ordonnance Comment utiliser Kamagra Jelly kamagra effet

Expôs a conversa! Membro de grupo do WhatsApp é condenado a pagar R$ 40 mil.

Expôs a conversa! Membro de grupo do WhatsApp é condenado a pagar R$ 40 mil.

Ex-funcionário do Coritiba Foot Ball Club foi condenado por divulgar conversas

Você tem o costume dar o print em certas conversas no grupo de WhatsApp e encaminhar para outras pessoas? Se a resposta é sim, é melhor repensar suas ações. A Justiça do Paraná condenou um homem por danos morais após ele divulgar algumas conversas de um grupo do qual fazia parte.

O caso envolve um ex-funcionário do Coritiba e mais oito membros da diretoria do clube de futebol.

Em um grupo no WhatsApp intitulado “Indomáááááável F.C”, todos passaram a trocar mensagens com os mais variados conteúdos, de assuntos mais sérios a piadas, brincadeiras e comentários maldosos, de acordo com o processo.

Em 2015, o ex-funcionário Bruno Kafka acabou divulgando algumas dessas mensagens – fotos e prints– nas redes sociais e na imprensa, e o resultado foi uma grave crise institucional no clube.

egundo o processo, a acusação relatou que o grupo foi criado para facilitar a comunicação, já que desenvolveram uma “estreita relação de companheirismo e amizade”. Dos nove participantes, sete afirmam que eram amigos há mais de dez anos e que mantinham o grupo com o objetivo de “estreitar os laços de amizade”.

Por outro lado, a defesa argumentou que o ex-funcionário do clube não detinha qualquer relação de amizade com os demais integrantes e que ele foi adicionado para participar mais de perto das “estratégias políticas e profissionais do clube”. Sendo assim, não tinha qualquer dever de confidencialidade nas conversas trocadas.

Além disso, ele acreditou estar exercendo a sua liberdade de expressão, “com o intuito de informar a coletividade de torcedores sobre a forma de gestão empregada no clube de futebol”.

Diante da polêmica, o juiz James Hamilton de Oliveira Macedo, responsável pela decisão, considerou que a prática do integrante não foi correta e o condenou a pagar indenização por danos morais no valor de R$ 5.000 para cada um dos integrantes do grupo envolvidos na ação.

Para o juiz, a conversa dentro do WhatsApp é privada e o conteúdo deve ser mantido apenas entre os membros do grupo. Além disso, a divulgação das mensagens acabou impactando na vida dos envolvidos – na época, dois deles foram demitidos do clube.

“O abuso do direito de informar se deu pela forma como foram divulgadas as notícias, atingindo a imagem pessoal e profissional dos autores”, argumentou Macedo na sentença:

Considerando que as mensagens foram trocas em aplicativo de celular em grupo privado, resta patente que não poderiam ser divulgadas, ressaltando-se, notadamente, que caso quisessem que as mensagens trocadas fossem públicas teriam as partes o feito dessa forma”

Ao UOL Tecnologia, o Bruno Kafka afirmou que as mensagens divulgadas não possuíam aspectos de cunho pessoal e que o conteúdo do grupo não está sendo tratado da forma que deveria. Ele irá recorrer da decisão.

“Tudo o que acabou sendo divulgado era ligado ao Coritiba e a gestão do Clube na época. Isto fica bem claro quando se analisam as mensagens juntadas no processo. Tenho a convicção de que o Tribunal irá avaliar bem a questão e reverter isso”, comentou.

A reportagem também procurou o Coritiba Foot Ball Club, mas até o momento não houve retorno.

Administrador do grupo também pode ser processado Uma outra decisão judicial envolvendo práticas no WhatsApp também ganhou repercussão recentemente. Em maio, a Justiça de São Paulo condenou uma garota, administradora de um grupo,a pagar R$ 3.000 a integrantes que foram xingados durante uma conversa. De acordo com a decisão, a jovem, que na época do grupo tinha 15 anos, deveria ter agido como moderadora da discussão e excluído os infratores.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *